Sobre o festival

O Governo Federal, Governo do Estado do Rio de Janeiro, Secretaria de Estado de Cultura e Economia Criativa do Rio de Janeiro, através da Lei Aldir Blanc apresentam o I Primeiro Festival de Fotógrafas Latinoamericanas. Esta é uma iniciativa que surge da urgência por criar espaços de encontro, troca, reflexão, crítica, diálogo e exposição das mulheres que atuam no campo da fotografia: fotógrafas, artistas visuais, curadoras, críticas, editoras, pesquisadoras, colecionadoras, gestoras etc. Uma ampla gama de mulheres que dedicam suas trajetórias profissionais à fotografia, nas suas mais diversas possibilidades. Ao que cabe salientar que, para nós, o termo mulheres envolve a pluralidade de uma perspectiva não essencialista, nem muito menos biológica ou binária.


Mulheres e homens construíram e constroem a fotografia na América Latina, mas é indubitável que as desigualdades e violências ocasionadas pelo tripé colonialismo, capitalismo e patriarcado são vividas muito mais fortemente pelas mulheres. O campo fotográfico ainda não está suficientemente sensível e atento às problemáticas de raça, classe e gênero que tensionam as relações de trabalho, mercado e os espaços de poder que operam no campo. Oportunamente, vivemos um momento histórico que nos permite enxergar as disparidades, injustiças e violências escancaradamente e já não sustentamos mais manter as desigualdades e inconsistências oriundas, especialmente, do sistema mundo moderno vigente na América Latina.


Diante dessas e de tantas outras questões urgentes e necessárias de serem abordadas e debatidas, o Primeiro Festival de Fotógrafas Latinoamericanas nasce buscando criar um espaço político de pensamento e interlocução entre as mulheres da fotografia na região, mas também de celebração. É nesse contexto que temos o imenso prazer de anunciar que o I FFALA será um festival on-line promovido por e para mulheres fotógrafas e mulheres da fotografia, composto por uma programação que compreende rodas de conversas, entrevistas, encontro de coletivos de fotógrafas, leituras de portfólios, oficinas e uma exposição online. Um evento bilingue: português e espanhol (sem tradução simultânea, respeitando a língua materna de cada participante), com todas as suas atividades gratuitas!
Nesta primeira edição estamos trabalhando com o tema: Fluxos da (in)visibilidade. Nossa principal intenção é promover a discussão sobre as questões que possibilitaram a consolidação do campo fotográfico latinoamericano como um espaço majoritariamente masculinizado e excludente, que invisibiliza as mulheres que nele atuam. Porque tantas mulheres fotógrafas não são devidamente reconhecidas pela história? Porque as mulheres recebem menos que os homens? Porque as mulheres possuem menos exposições individuais? Porque as mulheres são minoria em espaços de poder?


Portanto, partindo destas e de muitas outras perguntas, propomos, para as rodas de conversa, diálogos entre profissionais que possuem inserção nos espaços institucionalizados - espaços estes que, em grande medida, compreendemos que são essenciais na formação e consolidação do campo fotográfico e que contribuem para as suas assimetrias. Queremos entender como as mulheres convidadas traçaram seus percursos, as dificuldades e desafios enfrentados e como elas percebem essas instituições atualmente. As entrevistas serão momentos de conversa com fotógrafas e artistas visuais que trabalham com a fotografia, uma oportunidade de conhecermos suas produções. O encontro de coletivos e coletivas objetiva reunir as diferentes manifestações colaborativas formadas exclusivamente por mulheres, estimular trocas e intercâmbios entre os diversos grupos em atividade na região. As leituras de portfólios são a oportunidade de apresentar trabalhos para especialistas do campo e receberem análises, orientações e encaminhamentos para a produção. Já as oficinas oferecem um momento de mergulho com profissionais que são expoentes em seus campos de atuação.


O Festival se propõe a ser um espaço horizontal, colaborativo, não-hegemônico, que busca alimentar as redes e a integração regional entre as profissionais latinoamericanas do campo da fotografia. Criar novos vínculos e relações, propor novos formatos e dinâmicas. Nós sabemos que não basta juntarmos mulheres para conseguir uma transformação, mas sabemos também que somente através da união alcançaremos as transformações e a revolução necessária.

Algumas das atividades requerem inscrição prévia. Para acompanhar as chamadas e saber mais sobre a programação, acompanhem as redes sociais do evento:

  • YouTube - Círculo Branco
  • Instagram - White Circle
  • Facebook - Círculo Branco